O MEI precisa fazer declaração do imposto de renda?

O MEI é uma categoria de emprego especial, estabelecida para beneficiar os Microempreendedores. Quando se cadastra como MEI, o trabalhador passa a ter alguns direitos promovidos pela CLT, assim como também alguns deveres.

Como esta categoria de trabalho é um pouco diferentes das outras, ainda resta muita dúvida quanto ao seu funcionamento. Por exemplo, será que o MEI precisa declarar o imposto de renda? Veja tudo a seguir:

Os trabalhadores individuais cresceram muito no mercado e já representam uma boa porcentagem dos negócios. Cada vez mais pessoas estão começando o seu negócio próprio, mas o prolema é que trabalhando de forma individual, esse empreendedor passava a ficar desprotegido pelas leis trabalhistas.

Sendo assim, criou-se a possibilidade de se cadastrar como Microempreendedor Individual e passar a se utilizar dos direitos garantidos por essa oficialização.

Quando se cadastra como MEI e passa a ser um microempreendedor oficial, o trabalhador fica regido por alguns benefícios da CLT, como por exemplo a aposentadoria, o auxílio-doença, ou auxílio-maternidade, entre outros.

O Imposto de renda é referente aos rendimentos tributáveis do contribuinte naquele ano em questão. O imposto, proporcionado pela Receita Federal, se divide em duas categorias: o IRPF e o IRPJ.

O IRPF é referente ao Imposto de Renda Para Pessoa Física e o IRPJ é referente ao Imposto de Renda Para Pessoa Jurídica. Ou seja, um é destinado ao contribuinte e outro às empresas.

Em ambas as situações, não declarar o imposto ou declarar erroneamente pode fazer com que o contribuinte caia na malha fina e acabe tendo problemas com a Receita. Por isso, quem é MEI deve estar atento se precisa ou não declarar!

Por ser uma categoria a parte de prestação de serviço, muita gente se questiona se deve ou não se declarar o imposto de renda como MEI. A primeira coisa que você deve saber é que o MEI, caso tenha que declarar o IR, ficará na categoria de Imposto de Renda Para Pessoa Física.

O MEI só é obrigado a realizar a declaração do imposto de renda se possuir rendimentos anuais superiores ao valor de R$ 28.559,70 no ano anterior a declaração. Esse valor pode mudar de um ano para outro, por isso esteja atento!

Nessa condição, O MEI precisará sim fazer a declaração, lembrando que o empreendedor deverá calcular corretamente qual a parte do lucro obtido com o negócio é considerado rendimento tributável. Assim, a declaração ficará dentro das exigências.

Por que tantas empresas falem?

Recentemente, você deve ter notado que várias empresas promissoras têm fechado as portas permanentemente. Este fenômeno está acontecendo em todo o país e com vários tipos diferentes de negócio. Mas o que justificaria tantas empresas fechando as portas? Bem, vamos entender a seguir o porquê de tantas empresas irem a falência:

Planejamento e Gestão

Esta é uma das questões mais comuns para as empresas decretarem falência e geralmente, acontece nos primeiros anos do negócio. Como você sabe, os primeiros anos da empresa no mercado serão decisivos para estabelecer o sucesso dela. Se o negócio não se fidelizar e conquistar o público rapidamente, é quase certo que não dê bons lucros, o que nos leva ao segundo motivo de muitas empresas falirem.

Vendas

As vendas de serviço e produtos são a base para qualquer negócio, e quando esse aspecto não vai bem, tudo pode desmoronar! Os primeiros meses da empresa em qualquer lugar não serão garantia de lucro, mas serão fundamentais para o negócio se estabelecer. Quem não tem noção de propaganda e não acompanha as tendências, dificilmente irá se sobressair no mercado.

Recursos Financeiros

Em qualquer empreendimento, antes de começar a colher os frutos do trabalho, o proprietário terá de investir. O problema é que muitas vezes os recursos financeiros são aplicados de forma errônea, sem avaliar a situação do mercado e a possibilidade de retorno. Sem o devido planejamento estratégico, é como se a empresa estivesse jogando dinheiro pelo ralo.

Concorrência

Quando a empresa seleciona o endereço para a sua cede precisa estar atenta a competitividade do mercado. Pois como você sabe haverá uma grande quantidade de negócios oferecendo o mesmo serviço. É neste ponto que a empresa precisa estar pronta para driblar a concorrência e se destacar com grandes ideias. É difícil colocar toda ssa etapa em prátca e por isso, muitoss negócios ficam no esquecimento e acabam fechando.

Marketing

Como você conferiu acima, a propaganda da empresa é fundamental para estar na mente do público e ser escolhida na hora da compra. Mas muitas vezes, as empresas acabam deixando essa parte do lado ou fazendo exatamente a mesma coisa que todos os outros do mercado. É preciso ter criatividade e usar as mídias sociais a favor!

Equipe

A equipe que irá trabalhar na empresa deve representar muito bem o negócio e estar preparada para agir junto com a empresa. Os funcionários nem sempre recebem o preparo necessário e podem acabar ficando desmotivados com o passar do tempo.

Entenda como funciona a abertura de uma empresa

Abrir o próprio negócio e trabalhar de forma independente é um sonho para muitos brasileiros. Entretanto, para garantir o sucesso do seu negócio é preciso entender direitinho como funciona o processo para conseguir abrir a sua própria empresa. Se você está pensando em dar esse passo agora, veja no texto a seguir como funciona a abertura de uma empresa:

Parte 1

Em primeiro lugar, para começar a abertura do seu negócio, é preciso que você tenha reunido uma boa quantidade informações quanto a sua empresa. Esses dados devem ser referentes ao local de abertura da empresa, os funcionários contratados e a meta de vendas iniciais.

Além disso, será preciso que você solicite um comprovante legal de funcionamento de comercial para aquela região. Assim, o seu negócio fica protegido para funcionar. Caso não possa exercer as vendas ali, você terá de encontrar um outro local para o seu estabelecimento.

Também é necessário que você escolha um nome para o seu negócio e o reserve legalmente. Dessa forma, o nome do seu negócio estará garantido e você não terá prolemas com isso.

Parte 2

Tendo feito as exigências básicas iniciais, é hora de pensar nos próximos passos. Será preciso que você redija um documento chamado de contrato social. Neste documento estarão presentes os dados da empresa, dos possíveis sócios e dados do endereço.

Após concluir essa etapa, será a hora de requirir o CNPJ para o seu negócio. Este documento será como a identidade da sua empresa e é fundamental registrar a sua empresa na Junta Comercial.

Depois que já estiver com o número do seu CNPJ em mãos, você poderá solicitar o seu alvará de funcionamento na fiscalização municipal. Vale lembrar que é necessário comprovar o laudo legal de funcionamento pelos bombeiros, a permissão de funcionamento para aquela localidade, o número do CNPJ e o contrato social.

Parte 3

Tendo concluído as duas etapas anteriores, você precisará pensar nos processos para o dia a dia do negócio, como por exemplo, a autorização para emitir nota fiscal. Esta autorização é solicitada geralmente na prefeitura da região de serviço.

O próximo passo é realizar o cadastro estadual da sua empresa. Este cadastro será realizado junto a Secretaria da Fazenda do seu estado, assim você poderá emitir NF-e ou CT-e.

Por último, certifique-se se a sua empresa precisará ou não de um certificado digital. Este documento é emitido pelos órgãos públicos, por isso, esteja atento aos processos necessários.