Fui demitido, o que fazer?

A demissão é um medo recorrente para muitos brasileiros, principalmente pela dificuldade de encontrar um novo emprego. Mas se por acaso você se encontra nessa situação, é importante saber como proceder para não acabar ainda mais prejudicado. Foi demitido? Confira as informações a seguir e saiba o que fazer:

Garanta o recebimento dos seus direitos

Se você foi dispensado do seu cargo, o primeiro passo é conferir tudo que você tem direito a receber, desde o FGTS até o PIS/PASEP.  Vale lembrar que o abono salarial é pago mesmo quando o funcionário não está atuando no mercado, por isso vale ficar atento ao calendário PIS 2020, para quem trabalhou em empresa privada e calendário PASEP 2020, para quem atuou na rede pública.

Solicite o seguro desemprego

Além dos direitos mencionados, o trabalhador deve estar igualmente atento para o prazo de solicitação do seguro desemprego. O benefício fica disponível quando o funcionário é demitido sem nenhuma apresentação de justa causa considerava pelas leis trabalhistas.

O benefício pode ser pago em até 5 parcelas, dependendo exclusivamente do tempo de serviço prestado pelo funcionário. Só tem direito a solicitar o auxílio, quem possuía a carteira assinada por mais de 9 meses, o que possibilita o pagamento mínimo de 3 parcelas. O pagamento máximo de mensalidades fica destinado aos trabalhadores com mais de 24 meses de serviço.

Atualize o seu currículo

Como você estará voltando para o mercado de trabalho, é essencial atualizar o seu currículo. Vale a pena verificar os modelos que estão sendo mais realizados no momento e refazer o seu documento de identificação para a empresa.

Uma outra dica bem interessante é preparar o seu currículo de acordo com a vaga ofertado, modificando os objetivos e inserindo somente as experiências e qualificações que interessam para a área em questão. 

Utilize aplicativos e sites 

A tecnologia trouxe diversas facilidades para o nosso dia a dia e você pode utilizar alguns recursos para simplificar a sua buscar por emprego. Na web, existem vários sites disponíveis para você elaborar o seu currículo digital e assim, as empresas conseguem contatar você mais facilmente.

Além dos próprios sites, o usuário pode baixar alguns aplicativos destinados para esse uso de forma gratuita. A participação em grupos de vagas de emprego tanto no WhatsApp quando no Facebook também são uma opção considerável para quem vai voltar a concorrer no mercado de trabalho e precisa estar atento às oportunidades. 

Minas Gerais arrecadou 7% do total de impostos do Brasil em 2017

Todos anos, o brasileiro precisa cumprir com diversos impostos fundamentais para a economia. Em algumas regiões, o percentual de devedores deixa a desejar em relação a arrecadação dos cofres públicos. Essa situação não ocorreu para Minas Gerais, que foi responsável por 7% do total de impostos do país. Continue lendo e saiba de tudo:

Como mencionado, o brasileiro precisa cumprir anualmente com alguns impostos bem importantes. Os valores são aplicados em diferentes setores e trouxemos alguns exemplos para que você possa compreender melhor essa arrecadação.

IPVA

Comecemos pelo Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que representa um dos valores mais caros para os quais o brasileiro deve estar preparado.

Minas Gerais possui um dos impostos mais caros para proprietários de veículos, sendo equivalente a 4% do valor original do veículo. Quem não conferiu as alíquotas, deve consultar IPVA o quanto antes.

E Por isso, é impressionante que o estado possa estar contribuinte com um percentual interessante e espera-se o mesmo para o IPVA 2020 MG.

CRLV

O licenciamento, ou o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV) é um dos documentos mais importantes para quem possui um veículo, pois é o único que pode comprovar que o mesmo está apto para circular.

Esse imposto é obrigatório, mas vale mencionar que não é tão caro quanto o IPVA. Além disso, a aplicação da taxa do CRLV é única e não estadual como alguns outros recursos.

IRPF

Um outro valor muito importante, ligado a rendimentos tributáveis, é o imposto de renda. O recurso é dividido em duas categorias: O Imposto de Renda para Pessoa Física (IRPF) e o Imposto de Renda para Pessoa Jurídica (IRPJ).

O contribuinte precisa realizar uma declaração dos seus rendimentos anuais, se estiver dentro das regras previstas pela Receita Federal.

Todos esses valores fazem parte da arrecadação total do benefício, o que levou Minas Gerais a contribuir com 7% do valor total da arrecadação do país. O percentual em real é equivalente a R$ 141,9 bilhões, um valor muito significativo para o próprio estado, assim como para o país.

Vale mencionar que Minas Gerais é considerado um estado muito produtivo, uma vez que concentra 10% dos negócios mais importantes, como grandes empresas internacionais e nacionais que aquecem a economia anualmente.

Desde 2017, a previsão é que o estado possa aumentar a arrecadação. Isto porque não há expectativa de crescimento em relação a cobrança de impostos, o que pode significar uma aproveitamento ainda maior da produção.